Ótris é opção de franquias inusitadas

Ao buscar franquias para investir, os empreendedores procuram segurança. Isso acontece porque a criação de um negócio do zero pode ser muito mais arriscada do que um modelo que já foi previamente testado.

Quando procuram uma franquia para investir, estes empreendedores costumam lembrar apenas das marcas mais famosas. Existem, no entanto, cerca de 3 mil marcas no Brasil atualmente. Diante deste cenário, os empresários mais ligados no mercado têm buscado, cada vez mais, apostar em ideias diferentes que se destaquem em relação à concorrência. A Ótris é uma opção de franquia inusitada:

Criada em 2010 por Caio Katayama, a Ótris é uma empresa de cobrança focada em pequenas e médias empresas. Na prática, o franqueado trabalha para recuperar valores devidos por inadimplentes às empresas. Desde a sua abertura, a empresa já conseguiu devolver cerca de R$4 milhões para os empresários. Para abrir uma unidade, o investimento indicado é de R$80 mil, com previsão de retorno prevista para 18 meses.

Matéria original publicada em:

https://goo.gl/WkJ52F

Ótris Franquias aposta na região sudeste para crescer e tem como meta abrir 25 novas unidades até o fim do ano

A região de Campinas e a grande São Paulo estão entre as localidades onde a empresa de cobrança busca franqueados.

Criada em 2010, a Ótris é uma rede de franquias de cobrança para pequenas e médias empresas. Desde a sua criação, a rede já conseguiu devolver mais de R$4 milhões para PME’s. O objetivo da franqueadora em 2017 é expandir o negócio para cidades da região sudeste, começando por Campinas, onde está sediada, e a grande São Paulo.

“Estamos apostando no pólo econômico que é o estado de São Paulo. Há uma parcela expressiva da população endividada. As oportunidades no mercado são muitas”, comenta Caio Katayama, Ceo da Ótris.

De acordo com dados do Serviço Nacional de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 39% da população brasileira adulta integra a lista de devedores em atraso.

“As pequenas empresas, em geral, não acionam serviços de proteção ao crédito quando levam calotes e, por isso, acabam não entrando nas estatísticas dos órgãos de proteção”, explica.

Os dados da última pesquisa anual da Associação Brasileira de Franchising (ABF) respaldam o foco de expansão da rede para a região sudeste, onde estão 71% das redes de franquias do país. São Paulo vem em primeiro lugar na lista de estados com maior número de redes, com 53% do total.

“Essas empresas são o foco da rede. A maior parte delas podem ser clientes dos nossos franqueados”, comenta o empresário.

Até o final do ano, a empresa tem como meta abrir mais 25 unidades e aumentar o bolo de dinheiro recuperado para R$1,5 milhão.

“Os empresários precisam buscar esse tipo de assistência. Muitos negócios acabam não suportando os efeitos da crise por conta da queda de novos clientes, mas a inadimplência está entre as maiores responsáveis pelos déficits das empresas”, finaliza.

Matéria original publicada em:

https://goo.gl/7tChQA